Diabetes pré-existente:

Se você é diabética, é interessante consultar seu médico antes mesmo de engravidar para avaliar como a gestação pode influenciar seu diabetes e vice-versa.
Durante a gestação monitore freqüentemente suas taxas de glicose sangüínea, pois podem haver mudanças na maneira de seu organismo processar o açúcar e você poderá precisar mudar suas doses de insulina. Não se preocupe com a insulina, pois ela não afeta o bebê. Com a dose exata, não há razões para que a gestação se torne complicada ou de risco. Mas se a quantidade de insulina for insuficiente, seu organismo e seu bebê podem ser afetados. Particularmente, o bebê pode crescer demais e ocasionar a necessidade de parto por cesariana. Problemas mais sérios, como algumas anormalidades, também são possíveis.
Você provavelmente precisará de mais visitas ao médico, para evitar riscos, como hipertensão arterial, pré-eclâmpsia e excesso de produção de líquido amniótico.

Diabetes Gestacional:

A gestação gera mais trabalho ao pâncreas, que produz insulina para manter os níveis de glicose sangüínea normais. Se o pâncreas não suportar a maior demanda, sua concentração de glicose no sangue elevar-se-á, ocasionando o Diabetes Gestacional.
Esse tipo de diabetes não é uma doença, e sim uma mudança temporária que ocorre durante a gestação e normalmente desaparece algumas horas após o parto.
O Diabetes Gestacional ocorre usualmente no final da gestação e é mais comum em mulheres acima do peso com história familiar da doença. Aumenta o risco de hipertensão arterial e gera bebês maiores, que podem apresentar problemas respiratórios.
Para prevenir as complicações, é necessário manter a glicose sangüínea em níveis normais, através de uma alimentação balanceada e bem fracionada, prescrita individualmente por um nutricionista, além de seguir as recomendações médicas. É importante alimentar-se a cada 3 horas, e na hora de ingerir alimentos ricos em carboidratos, preferir os que contém uma maior quantidade de fibras e uma menor carga glicêmica, como os cereais e grãos integrais, não esquecendo de boas porções de vegetais crus, principalmente os de folha, frutas com casca ou bagaço e leguminosas.

Compartilhar: