cintura

Atualmente, tem-se reconhecido que não somente a quantidade de gordura corporal total deve ser considerada, como também sua localização. Diversos estudos demonstram a importância da distribuição da gordura na etiologia dos desarranjos metabólicos da obesidade. A concentração de gordura na região abdominal é um indicador fortemente associado à obesidade visceral, e esta, por sua vez, se relaciona com alto risco de morbidade e mortalidade principalmente cardiovascular. A obesidade abdominal visceral está associada, ainda, a um distúrbio da homeostase glicose- insulina, hipertensão, dislipidemia, fibrinólise e aceleração da progressão da aterosclerose. Por essa razão, na prática clínica e em pesquisas epidemiológicas, a utilização de índices baseados na circunferência abdominal pode dar informações válidas e é de fácil utilização, pois depende basicamente de uma fita métrica e constitui um método simples de medição. Por outro lado, outras formas podem ser empregadas para mensurá-la, como, por exemplo, tomografia computadorizada, ressonância magnética nuclear, ultrassonografia etc., métodos muito úteis na pesquisa mas que, devido aos altos custo e disponibilidade, não são utilizados rotineiramente na prática clínica. Há alguns anos priorizava-se a medida da relação cintura/quadril para indicar acúmulo de gordura abdominal. Mais recentemente, evidências sugerem que a medida da circunferência abdominal (CA), quando feita isoladamente, já apresenta boa correlação com a distribuição de gordura abdominal e associação com doenças.

A seguir apresentamos uma tabela que relaciona a medida de CA com riscos metabólicos associados ao acúmulo de gordura na região abdominal:

Risco de complicações metabólicas associadas a obesidade em função da circunferência abdominal (CA) para ambos os sexos

Sexo Risco Aumentado Risco Muito Aumentado
Masculino  maior que 94  cm  maior que 102 cm
Feminino  maior que 80 cm  maior que 88 cm

 

Fonte: MARTINS E MARINHO, 2003

Nota: Estes valores podem ser específicos para cada população, não tendo sido ainda suficientemente estudados em populações latino-americanas para que se determinem pontos de corte específicos.

Compartilhar: