Os objetivos da educação nutricional para adolescentes baseiam-se em explorar formas de se obter ingestão adequada de nutrientes mantendo um consumo saudável, e portanto controlado, de gordura, sódio, açúcar e energia. As mudanças na alimentação são mais aceitáveis quando associadas à repercussão em um bom desenvolvimento físico, boa aparência e performance nas atividades físicas. Deve-se dar importância à composição dos lanches, uma vez que grande parte dos jovens alimentam-se 5 ou mais vezes ao dia.

A taxa de crescimento na adolescência é a segunda maior durante a vida, sendo inferior apenas ao primeiro ano de idade. A maior velocidade de crescimento nesse período costuma ocorrer entre as meninas entre 12 e 13 anos, e aproximadamente 2 anos após nos meninos (entre 14 e 15 anos). Os requerimentos nutricionais são mais diretamente afetados pela taxa de crescimento do que pela idade cronológica, sendo maiores na fase entre os 11 e 14 anos de idade, durante o auge do crescimento, e diminuindo gradativamente conforme se chega aos 18 anos.

A seguinte fórmula estima as necessidades energéticas do adolescente em diferentes fases de crescimento, conforme o sexo e a altura em centímetros:

– Meninos: 11 a 14 anos: 15,9 cal/cm
15 a 18 anos: 17 cal/cm

– Meninas: 11 a 14 anos: 14 cal/cm
15 a 18 anos: 13,5 cal/cm

Dessa forma, um menino de 11 anos, com 145cm necessitaria de uma dieta com aproximadamente 2305 calorias (145X15,9), enquanto que uma menina com a mesma idade e altura necessitará de 2030 calorias (145X14). Um menino com 17 anos e 170cm de altura necessitará de cerca de 2890 calorias diárias, enquanto que a menina da mesma idade e altura deverá consumir em torno de 2295 calorias para manter um bom crescimento e estado de saúde. Gastos energéticos extras relacionados com atividades físicas e presença de doenças devem ser considerados.

Durante o período de crescimento rápido, o adolescente ganha cerca de 15% da estatura e quase a metade do peso do adulto. Tal aumento se refere tanto à massa corporal não gordurosa como aos depósitos de gordura. No sexo masculino, a massa muscular cresce de maneira desproporcional, resultando em maior porcentagem de massa magra, em comparação com o sexo feminino. As meninas apresentam uma maior porcentagem de gordura corporal em relação aos meninos.

O valor calórico total deve ser distribuído da seguinte forma: 10 a 15% de proteínas, 30% de gorduras e 55 a 60% de carboidratos. O consumo máximo de colesterol deve ser mantido em 300mg diários, e o total ingerido de gorduras saturadas não deve ultrapassar de 10% do valor calórico da dieta.

Os requerimentos de cálcio do adolescente são maiores devido ao desenvolvimento muscular, esquelético e endócrino acelerados. Um rapaz ou uma menina que cresce rapidamente necessitará de 1 litro de leite ou equivalente por dia para satisfazer sua necessidade de cálcio. O leite desnatado pode ser usado para diminuir a ingestão de gorduras, sobretudo nos casos de excesso de peso. O aumento do consumo de leite e derivados fornecerá também proteínas de alta qualidade, mas será necessário o consumo adicional de outras fontes de proteínas, como carnes, ovos e leguminosas.

Os rapazes e mocinhas têm grande necessidade de ferro. Eles porque a formação muscular é acompanhada por um maior volume sangüíneo; e elas porque perderão sangue mensalmente desde o início da menstruação. Uma quantidade de alimentos ricos em ferro, como carnes magras, fígado, ovos, leguminosas, vegetais folhosos verdes, pães enriquecidos e cereais integrais deve ser incluída na dieta.

O zinco é reconhecido atualmente como essencial para o crescimento e maturação sexual do adolescente.
Consideradas estas ingestões adicionais e seguindo o esquema da pirâmide alimentar, as necessidades fisiológicas desse período de crescimento serão supridas.

São aconselhados exames laboratoriais periódicos para se analisar estoques de ferro, lipídeos (gorduras), e verificar presença de doenças. O adolescente também deve ser avaliado constantemente pelo médico e nutricionista, que vão verificar seus dados clínicos, sua evolução de crescimento, suas porcentagens de gordura e massa magra, além de analisar sua ingestão alimentar habitual.

Compartilhar: